Obrigado pela visita...

Poesia 2263 - O recado

Um dia
Não sei quando
Alguém tocará a campainha
E gritará minha morte
À minha família...

Como?
Deus injusto?
Dessa maneira?

Não tenho respostas...

Apenas um recado
De uma boca insensível
E abalará tudo:
Não existe mais o poeta...

Que poeta?
Ele nunca foi bom poeta.
Que pai?
Ele nunca foi bom pai.
Que marido?
Ele nunca o foi...

Quem derramará uma lágrima sequer?
Juntar-me-ei a Vinícius
Onde todos estão juntos
E ninguém está ao lado de ninguém...

Corpo.
A alma ficou.
A alma eu deixei, aos poucos,
Em palavras ditas
Em ações sem pensar...

Mas eu sou assim: espontâneo.
Desculpem-me.
Em breve serei melhor...

Uma lembrança...

(Autor: JORGE LEITE DE SIQUEIRA)



Nenhum comentário:

Postar um comentário