Obrigado pela visita...

Poesia 2661 - Madrugada sem dormir

madrugada
sem dormir
daqui a pouco tenho que ir trabalhar
cansado
dia será longo
noite longa.

imagino fernando pessoa
em uma madrugada
insônia.
o litro de uísque
o bar
a música ao fundo
fumaça de cigarros
chapéu na cabeça
e falando
muito
sem parar.
mário de sá carneiro ao lado
escutando atentamente
louco para dar uma opinião
mas pessoa não deixa
já virou alberto caeiro
e agora declama
poesias feitas há momentos
escritas em guardanapos.
sá o vê transformar em bernardo soares
e declamava
encantava
e era álvaro de campos
e ricardo reis
e fernando
e entre um gole e outro
sá apenas sorriu.

fernando não sorri
é sério
parece que sofre.
mas não sofre
é poeta
e poeta não sofre
sofre quem lê.

e eu
ridículo
aqui na cama
esperando a hora de ir trabalhar.

meu uniforme está passado e engomado.

ah, como eu queria ter nascido em 1900...

jorge leite de siqueira


Nenhum comentário:

Postar um comentário