Obrigado pela visita...

Poesia 2124 – A madrugada se arrasta


A madrugada se arrasta.
De olhos vermelhos
Saio ao quintal.
Encaro a lua
Clamo aos anjos de paz
Que me dêem sono
E tranqüilizem meus demônios
Que me atormentam
E não me deixam dormir...

Abro o portão.
Saio à rua
Sento no meio-fio
Solitário.
Nem os cachorros me acompanham.
Espero os ponteiros rodar
E o sol aparecer.
Afastarão meus medos...

Ando pelas ruas.
Não encontro bêbedos
Nem ladrões.
Apenas os morcegos aparecem...

Volto à casa.
Volto à cama.
Volto à insônia...

E a madrugada continua a se arrastar...


(Autor: Jorge Leite de Siqueira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário